sábado, abril 21, 2018

DATA DA FUNDAÇÃO DA CIDADE DA LOBA, UMA RAIZ ANCESTRAL DA ESTIRPE NACIONAL

Venus Genetrix
antepassada mítica dos Romanos

Mosaico representando a cena em que Marte desce das Alturas para fecundar Reia Sílvia

Adoração de Pales, Deusa dos Rebanhos, pelo pintor flamengo Joseph-Benoît Suvée's (1743 – 1807)



A Loba amamentando Rómulo e Remo

Diz a lenda que em 21 de Abril de 753 antes da era cristã ou era comum, o latino Rómulo, irmão de Remo, filho de Marte, Deus da Guerra, e de Reia Sílvia, vestal (sacerdotisa de Vesta, Deusa do Fogo Sagrado do Lar e da Pátria), fundou a cidade de Roma, que viria a ser a capital de um dos maiores impérios de sempre, proto-fundador do Ocidente e raiz étnica - pelo menos em parte - das actuais Nações latinas, entre as quais se inclui Portugal.
Reia Sílvia era filha de Numitor, filho de Procas, rei da cidade latina de Alba Longa. O irmão de Numitor, Amúlio, tomou o poder e obrigou a filha do irmão a tornar-se vestal (sacerdotisa de Vesta) porque as vestais não podiam deixar de ser virgens e Amúlio não queria que Reia Sílvia tivesse filhos, os quais um dia poderiam reclamar o trono que Amúlio queria para si e para os seus próprios filhos.
Todavia, Reia Sílvia foi fecundada por Marte, que das Alturas desceu sobre ela e fez com que a virgem desse à luz dois gémeos, Rómulo e Remo. Amúlio ordenou que fossem atirados, mãe e filhos, ao rio Tibre, mas Tiberinus, o Deus do rio, salvou Reia de se afogar. Quanto aos filhos, foram recolhidos e amamentados por uma loba (daí a conhecida imagem da Loba que amamenta duas crianças, como se pode ver acima) sob uma figueira (a ruminalis ficus) e protegidos por um pica-pau (ambos os animais são consagrados a Marte), tendo posteriormente sido adoptados por um pastor, Fáustulo, e sua esposa, Acca Larentia, que os criaram.
Mais tarde, os irmãos colocaram o seu avô Numitor no trono e decidiram depois criar outra cidade. Remo viu seis abutres sobre o monte Aventino e afirmou que a nova urbe teria de nascer ali, mas Rómulo viu doze abutres sobre o monte Palatino e decidiu-se por esta última elevação como ponto de partida do novo Estado. Traçou por isso um sulco numa área plana, em torno do monte, dizendo «Morto será aquele que violar esta fronteira!». Como Remo troçasse do irmão e saltitasse de um lado para o outro do sulco, Rómulo matou-o. Isto é mito fundador, é lenda imortal, narrativa primordial (de alguns) dos nossos ancestrais. Por isso, o caminho do sulco de Rómulo seria o caminho que, mais tarde, os jovens solteiros romanos iriam percorrer, à volta do Monte Palatino, todos os anos, por ocasião da celebração da Lupercalia.
Soa, a muitos ouvidos, como blasfémia, isto de dizer que os Romanos são antepassados dos Portugueses, pois que, no entender popular, essa gente vinda do Lácio oprimiu aqueles que tradicionalmente nos habituámos a considerar como Os nossos avós por excelência, que são os Lusitanos. Mas é tempo de começar a perceber que a Romanidade é parte integrante da nossa etnicidade, a par ou quase a par (a tradição mítica conta muito e por isso digo «quase a par») da identidade pré-romana do povo de Viriato. O próprio facto de falarmos o Português, que é língua latina (é Camões quem explica a simpatia que Vénus, Deusa do Amor, tem pelos Portugueses: diz o vate que a Deusa, em relação à língua portuguesa, «crê, com pouca corrupção, que é latina») e não o Lusitano, do qual pouco ou quase nada sabemos, atesta a importância crucial que tem na raiz dos Portugueses a estirpe latina, romana, a da Loba e da Águia de Prata, símbolo de Júpiter transportado pelas legiões da chamada Cidade Eterna.
Somos pois Lusitano-Romanos na nossa essência, o que acaba por significar que, no fundo, somos filhos duma violação. Paciência. O filho dum violador não tem necessariamente de cometer estupros, ou sequer de aprovar o execrando acto do pai, mas também nenhuma moral sensata o obriga a suicidar-se ou a deixar-se matar só porque o seu nascimento não aconteceria caso o pai tivesse tido um comportamento decente... Do mesmo modo, mutatis mutandis, Portugal é filho dum imperialismo, mas nem por isso perde o direito à existência ou sequer à honra da ligação aos seus ancestrais pré-imperiais, isto é, os indígenas hispânicos (Lusitanos, Galaicos, Celtici, etc.). E, mesmo correndo o risco de parecer simplista, pode até dizer-se que a perda da independência lusitana, do povo de Viriato, foi de certo modo «vingada», ou compensada, pela multisecularmente posterior independência de Portugal, significando isto que a estirpe do extremo ocidente ibérico voltou, por portas travessas e com diferente voz, a ser livre na sua própria terra. Lusitanos e Romanos, de resto, acabaram por se fundir.
Além do mais, e independentemente de todas as guerras e ódios passados, o que é certo é que os Romanos pertencem à mesma família étnica que os Lusitanos, a indo-europeia. Pode pois encarar-se a vinda e conquista romana como a chegada de mais uma «tribo» indo-europeia, do mesmo modo que, a leste da Lusitânia, por exemplo, os célticos Vetões desalojaram os célticos Vaqueus. Os Romanos foram portanto um povo indo-europeu vindo do Lácio que aqui veio impor-se, a par da(s) invasão(ões) céltica(s) ou mesmo pré-céltica(s), bem como das invasões germânicas. A este propósito, é pertinente observar que, nas fileiras nacionalistas, patrióticas e não só, não se costuma lamentar as invasões germânicas como inimigas das identidades nacionais não germânicas, ao invés do que se faz com a romana (e faz-se não apenas em Portugal mas também na Grã-Bretanha, por exemplo, onde muitos acreditam que os malandros dos Romanos foram oprimir os coitadinhos dos Bretões, embora as maiores responsáveis pelo recuo e quase extermínio da Celticidade insular tenham sido as invasões germânicas dos Anglos e Saxões, antepassados directos dos Ingleses, ou em França, onde os Romanos são por vezes vistos como os grandes inimigos dos «verdadeiros franceses», isto é, dos Gauleses, enquanto os germânicos Francos como que passam impunes por esta onda de ódio a um certo passado...). A repulsa pelo invasor é exclusivamente dirigida contra os Romanos, o que pode ter muito a ver com um certo romantismo, ou seja, com a influência duradoura da corrente cultural romântica do século XIX, que exaltava o Norte brumoso e grandioso e depreciava o Sul «mesquinhamente» racionalista e luminoso.
Ora o Romantismo tem a sua beleza, um mérito muito próprio também, contribuiu grandemente para despertar a Chama Nacional, Tribal, que, como bem disse Berdiaev, dormitava desde o fim do mundo pagão, mas tem também as suas limitações, como sucede, de resto, a tudo o que é humano. Já vai sendo tempo de deixar para trás certos pontos de vista derivados de rivalidades circunstanciais e historicamente limitadas para perceber que, ao fim ao cabo, os Europeus são todos do Norte (do planeta), do Grande Setentrião, como diz Guillaume Faye, e quase todos de raiz étnica indo-europeia.
E um dos muitos testemunhos desta ligação primordial tem também a ver com o dia de hoje, no qual Roma, além de festejar a sua fundação, celebrava também a Parilia, cerimónia religiosa em honra de Pales, a Deusa Protectora dos Rebanhos. A figura da Divindade feminina protectora Cujo nome radica em Pal- será eventualmente uma das mais antigas e disseminadas do mundo indo-europeu. Na Grécia, uma das mais importantes Deusas, Atenaprotectora de Atenas, tinha nesta cidade o título de Pallas; nota-se ao mesmo tempo a semelhança (como fez Georges Dumézil) entre a romana Pales, protectora dos rebanhos, e a indiana Vispala, Deusa igualmente protectora dos rebanhos, mas em Cujo nome «Vis» significa «Tribo», «Casa». Há na Lusitânia uma Deidade Cujo nome é Trebopala, em que «Trebo» significa, em Céltico, «Tribo», «Povo», enquanto «-pala» terá o sentido de «Protecção». A lusitana Trebopala seria pois exactamente equivalente, na Sua origem e significado, à indiana Vispalacomo se pode deduzir da leitura do artigo «O Sacrifício entre os Lusitanos», da Dra. Maria João Santos Arez, bem como da tese de licenciatura do Dr. Andrés Pena Granha, intitulada «Território Político Celta na Galícia Prerromana e Medieval».

E ainda hoje a palavra «pala» é em Português usada com o sentido de protecção... «viver à pala de», é, como se sabe, «viver sob a protecção de», ou «à custa de», e constitui expressão assaz usual.
Honremos pois o nosso passado milenar, cuja raiz se oculta na noite dos tempos, mas que, seguramente, constitui a base dos principais elementos da herança nacional, a estirpe indo-europeia.
Interessa já agora lembrar o que aqui foi noticiado há poucos anos sobre a provável origem arcaica da designação  da Serra da Estrela: http://gladio.blogspot.pt/2013/05/nome-popular-da-maior-serra-de-portugal.html
As entradas dos dólmens construídos há seis mil anos em volta da maior montanha da Serra da Estrela estão todas viradas para o lugar onde, no horizonte, a estrela Aldebaran nasce em Abril, e explicam a origem do nome da mais alta serra de Portugal Continental.
(...)
Ora é particularmente interessante que Aldebaran, que, segundo Ptolomeu, é da natureza de Marte (talvez por ser vermelha, não sei) e que, de acordo com as escrituras védicas, indicou em tempos o equinócio de Outono no hemisfério norte, é particularmente interessante, dizia, que Aldebaran tivesse entre os Romanos o nome de Palilicium, em referência precisamente à Parilia acima mencionada. No fim de Abril esta estrela ver-se-ia no crepúsculo.
Fontes: 
https://pt.wikipedia.org/wiki/Aldebar%C3%A3
https://en.wikipedia.org/wiki/Aldebaran

Significa isto que tanto os arcaicos Latinos como os ancestrais pré-históricos dos Portugueses contemplavam com particular respeito religioso o mesmo grande astro rubro, guia da grei.


CAÇAS DE COMBATE TURCOS AMEAÇAM HELICÓPTERO COM PRIMEIRO-MINISTRO HELÉNICO

Dois caças de combate turcos ameaçam helicóptero grego com primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, e o chefe das Forças Armadas Gregas, Evangelos Apostolakis, a bordo... dois caças de combate gregos são de imediato enviados para o local e os turcos retiram-se da cena (por agora). 
*
Fonte: https://www.jihadwatch.org/2018/04/turkish-fighter-jets-repeatedly-harass-helicopter-carrying-greek-prime-minister-and-armed-forces-chief

* * *

Nos grandessíssimos mé(r)dia tugas cá do burgo ninguém se escandaliza com esta atitude do «país laico» que a elite reinante quer enfiar pela Europa adentro?...

VEÍCULOS INCENDIADOS E POLÍCIA ATACADA COM FOGO EM ZONA PARISIENSE

Em Toulouse, a polícia ordenou a uma mulher que removesse o véu islâmico, nicab que lhe escondia a cara toda. Ela recusou cumprir a lei (ir embora para um país onde seja permitido usar o véu é que a estrangeira não vai, é o vais...) - e os muslos circundantes revoltaram-se e incendiaram veículos e, como se vê na foto, também incendiaram alguns agentes da autoridade...
*
Fonte: https://www.jihadwatch.org/2018/04/france-muslims-erupt-in-extremely-violent-riots-after-woman-is-ordered-to-remove-her-niqab

* * *

Ah, calor humano oriundo do mundo islâmico, que seria da Europa sem este ardente e emotivo contributo...

sexta-feira, abril 20, 2018

ARGELINOS VIOLAM JOVEM EM ALICANTE

a Policía Nacional ha detenido a tres inmigrantes argelinos acusados de violar grupalmente a una joven en Alicante.
Los hechos tuvieron lugar en la madrugada del pasado sábado, cuando la joven conoció a un hombre en una discoteca situada en la zona de ocio del puerto de Alicante.
Tras invitarla a varias copas, le “insistió que le acompañase a su casa”. Ya en la vivienda, tres hombres argelinos salieron de las habitaciones y junto al hombre que iba con la chica, la violaron.
La Policía informa que la joven solamente pudo pedir ayuda cuando uno de los sospechosos la condujo a la calle, “donde desesperadamente la joven pidió auxilio en el primer establecimiento comercial que encontró. Desde allí, una llamada alertó a los agentes”.
Uno de ellos intentaba huir de España
La Policía ha confirmado que uno de los inmigrantes argelinos fue detenido en el aeropuerto de Alicante-Elche cuando estaba a punto de coger un vuelo rumbo a Argelia. El cuarto presunto implicado todavía no ha sido detenido. Los tres arrestados tienen 19, 28 y 34 años.
Segundo caso en menos de un mes
Esta nueva violación grupal se produce después de que hace menos de un mes, agentes de la Policía Nacional detuvieran a diez inmigrantes argelinos que agredieron sexualmente y violaron a tres menores de edad fugadas de un centro de menores.
Todos ellos, de nacionalidad argelina, entre los que había dos menores, ofrecían a las chicas drogas y dinero para convencerlas de que las acompañaran al piso donde fueron retenidas y violadas en repetidas ocasiones.
Incluso una de las adolescentes, de 14 años, estuvo encerrada durante 24 horas en el piso donde los argelinos la agredieron y violaron en repetidas ocasiones.
*
Fonte: https://casoaislado.com/otra-vez-alicante-tres-argelinos-detenidos-tras-una-nueva-violacion-grupal/

* * *

Mais calor humano oriundo do mundo islâmico... que seria da Europa sem ricos contributos destes... e doutros... que seria das «nossas pensões!!!» e mai' não sei quê...

quarta-feira, abril 18, 2018

COMO FORAM OS ESTADOS GERAIS DO PNR






Decorreram os Estados Gerais do PNR sob o signo do sucesso! Com o título “Desafios do Nacionalismo hoje” e celebrando os dezoito anos de vida do partido, este encontro, com treze apresentações temáticas, quatro debates com um painel de conferencistas e um discurso de encerramento, contou com a participação de muitas dezenas de pessoas, algumas das quais presentes na totalidade dos dois dias de trabalhos.
Pautou-se o encontro pelo contributo riquíssimo das conferências e dos debates que elas suscitaram, sendo certo que muitas das pistas levantadas, em posições de verdadeiro contraditório, irão estruturar a mensagem e discurso programático do PNR nas eleições Europeias e nas Legislativas que ocorrerão em 2019.
Pela primeira vez, o PNR convidou uma associação – juridicamente constituída como tal – para estar presente, visto reconhecermos que o trabalho é vasto na área nacional e há espaço para organizações de diferentes âmbitos, em que cada uma desempenhe o seu papel com total independência e respeito pelas outras, podendo e devendo desenvolver esforços de colaboração e unidade naquilo em que isso for vantajoso. Assim, em representação da Associação Cívica “Portugueses Primeiro”, foi orador João Martins e discursou sobre a acção por esta desenvolvida no âmbito do combate cultural.
Os trabalhos iniciaram-se com uma apresentação sobre as principais etapas da história do PNR e contaram também, da parte da manhã, com intervenções de Miguel Costa Marques, Presidente do Conselho de Jurisdição Nacional, sobre as custas judiciais em Portugal e do Conselheiro Nacional, Anselmo Filipe Oliveira, sobre uma nova forma de estar na política.
De tarde, foi anunciado oficialmente o cabeça-de-lista às Europeias 2019, que será o nosso Presidente da Mesa da Convenção, Carlos Teles, após o que se deu início a quatro intervenções: Pedro Perestrello apresentou “Três cenários para a saída do Euro”, Nuno Carvalhana pronunciou-se sobre os “Nacionalismos na União Europeia” e Carlos Sebastião e Silva sobre “Economia real versus economia de mercado”. A estas, seguiu-se a intervenção de Carlos Teles que dissertou sobre as posições do PNR ante a União Europeia, tendo-se seguido um debate vivíssimo com diferentes perspectivas sobre a temática em questão.
Terminou o dia com uma sessão sobre aquela que é uma das principais bandeiras do PNR: a Segurança e as Forças da Ordem. Ivo Rebelo e António Ramos, agentes da PSP, falaram das dificuldades sentidas pelos agentes e foi defendida a criação de uma polícia única nacional.
No Domingo, dia 15, realizou-se uma sessão aberta, de perguntas e sugestões à Comissão Política Nacional, ao que se seguiram os parabéns cantados ao PNR. Posteriormente, um painel constituído por Riccardo Marchi (Investigador de Ciência Política, especializado no Nacionalismo em Portugal), Humberto Nuno de Oliveira e Duarte Branquinho, dissertaram em conversa cruzada, sobre o “Nacionalismo na Europa e o caso português”, seguindo-se, também, um debate extremamente rico. Por fim, o Presidente do PNR, José Pinto-Coelho, proferiu um breve discurso de encerramento e entoou-se o Hino Nacional.
Agora, incentivados pelo sucesso e frutos deste encontro, temos de trabalhar intensamente, desde já, para as eleições do ano que vem.
*
Fonte: http://www.pnr.pt/2018/04/os-terceiros-estados-gerais-do-pnr/

* * *

Tive oportunidade de fazer notar que ao fim ao cabo a União Europeia acaba por ser mais positiva do que negativa para o Nacionalismo europeu, sobretudo para o português e de outras Nações pequenas e médias da Europa. Felizmente que no PNR há espaço para diversas opiniões e para o chamado «contraditório», como sói dizer-se... De resto, esta é uma daquelas ideias que primeiro estranha-se mas depois entranha-se: a médio ou longo prazo, cada vez mais nacionalistas europeus abandonam a retórica anti-UE e entendem que uma união de Povos Europeus pode sempre ser corrigida, tenha os defeitos que tiver, isto para além do facto óbvio e já palpável de que a força alcançada pelo Nacionalismo nuns países apoia o ideário nacionalista ou pelo menos contrário à imigração nos países onde o Nacionalismo está menos desenvolvido, como se viu no caso em que o «Espaço Schengen» era o único obstáculo à criação da lusofonia sem fronteiras que o governo PS anunciou em finais de 2016... 
A pouco e pouco o Nacionalismo em Portugal clarifica-se e desenvolve-se.

JOVEM ALEMÃ EM COMA INDUZIDO DEPOIS DE REPETIDAMENTE ESFAQUEADA POR MUÇULMANO



Vivien, 24 anos, foi brutalmente esfaqueada e gravemente ferida por um imigrante muçulmano sírio de 17 anos no último Saturnes, quando ela e o seu namorado faziam compras na pequena cidade alemã de Burgwedel (veja reportagem Fim-de-Semana Sangrento: Ataques à Facada por toda a Alemanha).
A jovem foi posta em coma induzido e teve que passar por uma cirurgia de emergência. Permanece em estado crítico.
VladTepesBlog - A procuradoria abriu uma investigação contra o jovem por agressão. A sua família, muçulmana, que veio para a Alemanha como refugiada em 2013, divulgou uma declaração dizendo que lamentava o incidente, "mas quer que seja investigado o que é que a jovem fez para que o filho tivesse que a esfaquear".
Quatro dias após o ataque à facada, na Mércores, Vivien acordou do coma artificial e permanece nos cuidados intensivos. Os médicos tiveram que remover o baço e parte do pâncreas. As costelas estão partidas.
No Saturnes, ela e o seu namorado estavam a fazer compras num supermercado em Burgwedel (Baixa Saxónia), e encontraram dois primos muçulmanos que estavam a lutar na loja. Vivien, que é assistente de loja, pediu aos dois para pararem com a luta.
Lá fora, o casal encontrou os dois primos novamente, mas desta vez com um dos seus irmãos (de 17 anos). Ele espetou repetidamente uma faca no estômago de Vivien, e os ferimentos foram quase fatais. O namorado dela disse: “Agradeço a Deus por Vivien ainda estar viva. Os médicos disseram que dois centímetros fizeram a diferença entre a vida e a morte".  
O autor está sob custódia e permanece em silêncio. Ele veio para a Alemanha como um suposto refugiado sírio em 2013. Foi acusado, para já, de espancamento perigoso.
O advogado da vítima, Björn Nordmann, disse: “Na minha avaliação preliminar da questão, é uma tentativa de assassinato. O alegado autor sabia que poderia matá-la quando a esfaqueasse brutalmente".
Um porta-voz do Ministério Público disse: “As nossas investigações estão no começo, ainda temos que entrevistar testemunhas. É possível que venhamos a avaliar a questão de maneira diferente".
(...)
*
Fonte: http://amigodeisrael.blogspot.pt/2018/04/alemanha-queremos-que-todos-vejam-o-que.html
via Sentinela (Facebook)

* * *

Que quase mortal ingenuidade, a da pobre jovem alemã, se calhar julgou que estava a falar com os seus amigos alemães... não sabia como era ardente o calor humano oriundo do mundo islâmico... Numa situação destas nem tinha de lhes dirigir palavra alguma, chamava imediatamente a polícia para que agentes devidamente preparados e armados tratassem do assunto rapidamente. Claro que isto só resolveria a questão imediata. Para tratar do assunto de forma mais assertiva, construtiva e estrutural, o que ela pode fazer é, se sobreviver, registar bem o sucedido e passar a votar, juntamente com o namorado, no único partido que a pode defender contra casos destes e doutros - o partido contrário à imigração que mais poder eleitoral tiver, neste caso a AfD.

PRIMEIRO-MINISTRO ISRAELITA SAÚDA O SEU HOMÓLOGO HÚNGARO

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, foi o primeiro líder governamental estrangeiro a saudar o húngaro Viktor Orbán pela sua vitória eleitoral na semana passada, à frente do seu partido Fidesz, e convidou-o a visitar o Estado Judaico. Aproveitou a ocasião para agradecer a Orban o apoio da Hungria a Israel nos foruns internacionais.
Em Dezembro, a Hungria foi um dos trinta e cinco países que se absteve de votar na ONU a favor da condenação da decisão do presidente norte-americano Donald Trump de transferir a embaixada norte-americana em Israel de Telavive para Jerusalém. Já em Julho Netanyahu tinha, durante uma visita oficial à Hungria, agradecido a Orban o apoio a Israel.
*
Agradecimentos a quem aqui trouxe esta notícia: https://www.timesofisrael.com/netanyahu-congratulates-orban-on-reelection-invites-him-to-israel/

* * *

Reforçam-se assim, cada vez mais, os laços entre forças nacionalistas ou anti-imigração europeias e o Estado Judaico, na consciência de que ambas as partes enfrentam alguns dos principais inimigos, a saber, a elite imigracionista (da qual é representante Soros, publicamente condenado tanto pela Hungria como por Israel) e a hoste islamista.

ALUNOS EM ÉVORA INSISTEM EM CONVOCAR ASSEMBLEIA PARA REFERENDO À GARRAIADA

Um grupo de alunos da Universidade de Évora, liderado por um estudante de medicina veterinária, já recolheu as assinaturas necessárias para a convocação de uma assembleia de estudantes, com o intuito de propor e aprovar um referendo, que irá decidir se se mantém ou não a garraida na Queima das Fitas daquela academia.
Como está a avançar a Rádio Diana, de Évora, foram recolhidas 847 assinaturas, número que permite convocar nova assembleia de estudantes para votar, pela terceira vez, a realização de um referendo sobre a continuidade da garraiada na Queima das Fitas, pedido que já foi feito ao presidente da mesa da assembleia de estudantes.
Os estudantes da Universidade de Évora decidiram este mês, em assembleia geral, manter a garraiada na Queima das Fitas. Fonte ligada ao processo defendeu então que o processo foi atribulado e resultou num chumbo ao referendo por "7 votos", onde foi preciso recontar os votos, por dúvidas levantadas pela Mesa daquela Assembleia-Geral. Após uma primeira votação, que aprovou o referendo com uma diferença de 3 votos, a Mesa pediu uma recontagem e que resultou no chumbo ao referendo, por uma diferença de 7 votos, já que 124 estudantes votaram contra a hipótese de referendo, que foi apoiado por 117 votos favoráveis.
Para a Associação Cantinho dos Animais, que tem defendido a realização do referendo, não se compreende a "decisão de se votar sobre a realização ou não de um referendo. Um referendo é um instrumento da democracia e serve para os eleitores se pronunciarem de forma directa e secreta sobre determinado assunto". Aquela associação faz ainda saber em comunicado que não compreende a repetição da votação já que "a primeira votação foi favorável à realização do referendo. Sabemo-lo por testemunhas no local, comprovadas pelo vídeo divulgado pelo PAN Évora. Não compreendemos porque decidiu a Mesa da Assembleia efectuar nova votação, num claro desrespeito pelos valores democráticos", concluem, lamentando que "os exemplos do Porto e Coimbra não sirvam à Academia de Évora e que esta opte por ser contra o progresso civilizacional e cultural que lhe seria esperado".
Já o PAN - Pessoas, Animais, Natureza, fala em "vergonha" por considerarem que o sim ao referendo já havia vencido e que a recontagem dos votos alterou o resultado da votação.
Ainda antes da realização da Assembleia de Estudantes, Ana Rita Silva, presidente da Associação Académica, em declarações à Agência Lusa admitia que a direcção da AAUE estava dividida sobre o assunto porque é "uma equipa bastante grande e cada um tem a sua opinião", sublinhando que a associação académica "não assume qualquer posição nem a favor nem contra".
Agora a discussão vai novamente colocar-se.
O debate em torno da manutenção desta "tradição" nos festejos das Queimas das Fitas começou em Coimbra com um referendo a ditar o fim da Garraiada, com o apoio de mais de 70% dos votos, e ameaça espalhar-se por todo o país, onde é uso a utilização de touros juvenis em simulações de pegas como as que acontecem em touradas.
*
Fonte: https://www.tribunaalentejo.pt/artigos/evora-estudantes-forcam-nova-assembleia-para-banir-garraiada-na-queima-das-fitas

* * *

Um louvor é devido a quem em Évora luta contra a hórrida crueldade que é a tourada.

HÁ JÁ UMA AMBULÂNCIA PARA ANIMAIS NA PÓVOA DO VARZIM

Merece divulgação para quem precise.

Uma ambulância para socorrer cães e gatos acidentados estará em breve a percorrer estradas da Póvoa de Varzim, num projecto pioneiro no Norte do país, que será articulado por três instituições locais.
A 'Ambulância Animal' surgiu de uma ideia da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, que desafiou os bombeiros voluntários locais e o albergue de animais 'A Cerca' para organizarem uma resposta que não existia no concelho e que, segundo os responsáveis deste projecto, vinha a ser muito solicitada.
"As pessoas ligavam para a polícia ou para os bombeiros nestas situações de animais feridos, mas não havia uma resposta estruturada. Como os bombeiros já tinham alguma experiência de resgatar animais, e 'A Cerca' é nossa parceira nesta questão, criou-se um ambiente favorável para avançarmos", começou por explicar à Lusa Sílvia Costa, vereadora com o pelouro do Ambiente da Câmara da Póvoa de Varzim.
A autarca, que está a preparar este projecto desde Novembro do ano passado, apontou que esta é uma iniciativa "pioneira" no Norte do país, mas que houve preocupação de estudar outros casos para perceber qual a estratégia a seguir.
"Fomos estruturando todos os passos a dar, recolhendo informações sobre projectos semelhantes, nomeadamente em Oeiras e Cascais, e tentamos perceber o que correu melhor e pior nesses casos", vincou Sílvia Costa.
A vereadora assumiu que a iniciativa funciona numa dinâmica de parceria, mas que os custos que acarreta são, indiretamente, suportados por protocolos de cooperação já existentes entre a câmara municipal e as instituições pareceria.
Eva Vilaça, responsável de 'A Cerca', um abrigo para animais com sede no concelho da Póvoa, sublinhou que, sem este formato de parceria, a instituição não tinha meios para avançar.
"Não temos viatura própria e somos confrontados, diariamente, com imensos pedidos que sozinhos não conseguimos dar resposta", explicou a responsável da associação que tem, atualmente, ao seu cargo mais de 160 animais.
Eva Vilaça frisou, também, a cooperação das clínicas veterinárias do concelho, que irão prestar o apoio no tratamento dos animais recolhidos, para que estes possam, depois, ser encaminhados para a adopção.
"Quando formos contactados, serão feitas certas perguntas para saber o estado animal. Depois, a ambulância irá até ao local e encaminha-o para um dos hospitais veterinários parceiros. Após ser tratado, vai ser levado para a nossa instituição com o fim de ser dado à adopção", explicou Eva Vilaça.
A representante de 'A Cerca' lembrou que este é um serviço destinado, essencialmente, para animais que estejam abandonados, mas que, em situações de emergência, poderá também ser utilizado para animais com dono.
A viatura que dá corpo a este projecto foi cedida pelos bombeiros e adaptada às novas missões pelo trabalho da corporação, que abraçaram este novo desafio "com entusiasmo".
"Tínhamos uma ambulância de socorro que estava descontinuada porque já não oferecia o necessário conforto aos doentes, mas para esta nova missão serve muito bem, pois tem todas as condições de segurança", explicou Rui Coelho, presidente da Associação dos Bombeiros da Póvoa de Varzim.
O dirigente lembrou que os resgate de animais já era um dos trabalhos ao qual os bombeiros eram chamados, mas vincou que, mesmo abraçando este projeto, a corporação tem objetivos bem definidos.
"Estamos muito satisfeitos por entrarmos neste projecto, mas nossas prioridades são claras: o socorro de pessoas e bens. Esta missão dos animais virá depois. O que esperamos é que não aconteçam coincidências nos serviços, mas se surgirem teremos sempre uma resposta a dar", vincou o Rui Coelho.
A operacionalidade da 'Ambulância Animal' da Póvoa de Varzim estará ao cargo de seis elementos dos bombeiros locais, que, segundo o presidente da associação, "têm um especial gosto por animais e aceitaram, de imediato, o desafio".
A viatura já foi equipada para responder às novas necessidades e este sábado vai ser apresentada à população para, depois, entrar ao serviço.
*
Fonte: https://www.dn.pt/lusa/interior/ambulancia-para-caes-e-gatos-vai-percorrer-ruas-da-povoa-de-varzim-9211478.html

SOBRE OS BRASILEIROS NA IMIGRAÇÃO SOBRETUDO EM PORTUGAL

Por onde passei nos últimos 15 dias aqui e no exterior, ouvi relatos de pessoas em busca de explicações sobre as razões que estão levando brasileiros a buscar “refúgio” em outros países, principalmente Portugal e Estados Unidos. As pessoas querem saber se este êxodo teria motivações políticas. Em seguida, constrangidas, elas diziam que chama a atenção o nosso “grosseiro” comportamento. Um “estilo predador”, disse-me um deles.
Procurei saber detalhes do que exactamente incomodava estas pessoas. Elas dizem que falamos alto, somos arrogantes com garçons, atendentes, seguranças, além de furarmos filas, não cumprirmos  horários, nem compromissos previamente acertados, atravessarmos fora da faixa de pedestres nas ruas e não pagarmos passagem nos transportes públicos. O que elas argumentam é que não entendem por que agimos assim, já que todos convivem com os problemas comuns da comunidade em que estão igualmente inseridos.Já de retorno ao Brasil, esbarrei em relatos de conhecidos que diziam estar de malas prontas para Miami ou Lisboa, Cascais, Porto, e que não aguentavam mais a “bagunça” do nosso país. Eles reclamam da “desordem”, “das autoridades”, do “Temer”, do “Lula”, do “PT”, da “esquerda”, enfim, os alvos são múltiplos. Estas pessoas reconhecem que nossa “imagem lá fora” anda meio queimada. Tenho que reconhecer que estas pessoas “indignadas” têm posses ou reservas financeiras que lhes garantem uma permanência mais longa no exterior.Este conjunto de pequenas histórias passou a martelar minha cabeça. O que está havendo? A gota d’água foi uma senhora portuguesa que disse para um amigo que os brasileiros “não tinham classe”. Ela praguejou outros impropérios que prefiro não repetir por vergonha.Num determinado momento, eu não me contive e resolvi compartilhar este sentimento de surpresa frente à repetição de nossa falta de civilidade, com esta falta de respeito com os hábitos de países que abrigam novos imigrantes como nós.
Por isso, eu escrevi o post abaixo  no Twitter e, para minha completa surpresa, “viralizou”.
«Portugueses começam a ficar incomodados com a enxurrada de brasileiros endinheirados que estão trocando nosso país pelo deles. Eles dizem que são pessoas que se acham melhores do que as outras apesar de terem baixíssima cultura e civilidade. “Gente sem classe”, disse uma senhora.»
De cara, saltou para quase 8 mil curtidas, 2.800 retuítes e não param de entrar pessoas testemunhando as barbaridades que assistiram pessoalmente. Uma delas disse que portugueses estavam na fila de espera de um táxi, brasileiros furaram a fila e pegaram a veículo antes de todos. Os nativos reclamaram e os brasileiros fizeram gesto obsceno com os dedos. O taxista simplesmente parou o carro e pediu que os mal educados saltassem. Eles o fizeram e, a partir daí, se voltaram contra o motorista e o hostilizaram.
Dos inúmeros comentários disponíveis no post, existem várias outras reflexões sobre o que está acontecendo com aqueles que, cansados do Brasil, resolveram reconstruir suas vidas em outras terras no Velho Mundo.
Abaixo alguns comentários pinçados a esmo:
Tenho um colega que trabalha e mora em Portugal, ele está detestando os brasileiros irem pra lá. São péssimos empregadores, é verdade que tratam e pagam mal.

Portugueses começam a ficar incomodados com a enxurrada de brasileiros endinheirados que estão trocando nosso país pelo deles. Eles dizem que são pessoas que se acham melhores do que as outras apesar de terem baixíssima cultura e civilidade. “Gente sem classe”, disse uma senhora.
Moro na Flórida e os que chegam agora por aqui maioria com muito dinheiro e pouca empatia com os pobres. Coxinhas invadindo Tio Sam! Rs

Portugueses começam a ficar incomodados com a enxurrada de brasileiros endinheirados que estão trocando nosso país pelo deles. Eles dizem que são pessoas que se acham melhores do que as outras apesar de terem baixíssima cultura e civilidade. “Gente sem classe”, disse uma senhora.
Te garanto que nem todos são endinheirados. Conheço alguns. Sem Inglês, e sem o "VISA", jamais entrariam em Miami.
Portugal é mais fácil, eles pensam.
Vamos ver até quando!

Portugueses começam a ficar incomodados com a enxurrada de brasileiros endinheirados que estão trocando nosso país pelo deles. Eles dizem que são pessoas que se acham melhores do que as outras apesar de terem baixíssima cultura e civilidade. “Gente sem classe”, disse uma senhora.
Eu estou aqui, mas não sou endinheirada. Vim pra recomeçar do zero, pois aí não estava dando mais.
Agora o que esses "endinheirados" não sabem é que aqui o governo é socialista e não tem nada de errado em ser de esquerda por aqui. Cada um com sua liberdade de pensamento.

Tenho um colega que trabalha e mora em Portugal, ele está detestando os brasileiros irem pra lá. São péssimos empregadores, é verdade que tratam e pagam mal.
Trabalhei pra brasileiros fora do Brasil. Realmente muitos são péssimos patrões. Mas tem muitos empreendedores que são bons patrões. Porque segue a risca as leis dos países em queestão investindo. Tem muita gente boa lá fora. Como experiência que vi, os ruins não ficam 5 anos.
Espero que reflictamos o quanto alguns de nós não percebemos que estamos desconectados de um mundo onde o compartilhamento, a interactividade e o afecto entre os povos tornam-se importante como base para um entendimento entre os humanos. Estamos doentes e não percebemos nossos erros mais gritantes.
*
Agradecimentos a quem aqui trouxe este artigo: https://www.diariodocentrodomundo.com.br/por-que-o-comportamento-predador-de-brasileiros-em-portugal-causa-indignacao-por-sidney-rezende/

* * *

É apenas um dos casos em que o terceiro-mundo na Europa causa profundo desagrado aos autóctones. Duvido que a opinião seja diferente no que toca a outras gentes oriundas do sul do planeta, nomeadamente as de África. Ou muito me engano ou a questão não é de fundo geográfico, climático, sequer sócio-económico - os paupérrimos imigrantes de leste têm em geral um comportamento bem diferente dos do Brasil e de África... - mas sim étnico-civilizacional... ou se calhar mesmo étnico, porque o Brasil, enfim, foi criado no seio da civilização europeia.