quinta-feira, setembro 21, 2017

RITO A JANO EM PÚBLICO POR OCASIÃO DE EVENTO CULTURAL

Rito a Janus, Deus latino dos Inícios, no dealbar de «Esoterika», uma feira esotérica, a 15 de Setembro, realizado pelos representantes do pequeno grupo Communitas Populi Roman
Para ver mais fotos, aceder a esta página: https://www.facebook.com/pg/CommunitasPopuliRomani/photos/?tab=album&album_id=906325446187088

A religião da herança étnica é para ser assumida assim, publicamente.

quarta-feira, setembro 20, 2017

RAPARIGA DE VINTE ANOS OBRIGADA A RECORDAR EM TRIBUNAL AS HORAS EM QUE FOI VIOLADA E BRUTALMENTE AGREDIDA POR UM AFRICANO VIOLADOR DE MENORES NO ANO PASSADO

A estudante de 20 anos não conseguiu conter as lágrimas ao descrever, perante o colectivo de juízes, a brutalidade de que foi vítima, em Setembro do ano passado, após uma festa académica em Braga. A jovem foi violada e violentamente agredida durante quase quatro horas. Sofreu ferimentos em várias partes do corpo. 
Ontem, no início do julgamento, a vítima, que não terá sido ouvida pelo Ministério Público para ‘memória futura’, foi forçada a recordar o terror que viveu às mãos do estudante cabo-verdiano de 24 anos. Maciel Fernandes, conhecido por ‘W’, encontra-se em prisão preventiva desde que foi detido pela Polícia Judiciária de Braga, um mês após os crimes. O cabo-verdiano, que está acusado dos crimes de violação, sequestro e ofensas à integridade física graves, é arguido noutro processo em Aveiro, por abuso sexual de um menor. Em Setembro do ano passado, após ter participado na festa académica conhecida como ‘Arraial Azeiteiro’, junto ao campo de futebol de Gualtar, em Braga, levou a jovem de 20 anos, que tinha acabado de conhecer, até um local ermo, nas proximidades. Tentou ter relações sexuais com a rapariga, também estudante, mas perante a recusa da jovem acabou por forçá-la a diversos actos sexuais. A vítima foi violentamente espancada, com murros e bofetadas, sofrendo várias lesões no rosto, mãos e joelhos. Nas perícias feitas à jovem na altura do crime foram recolhidos vestígios biológicos do agressor.
*
Agradecimentos a quem aqui referiu esta notícia: http://www.cmjornal.pt/portugal/detalhe/tribunal-obriga-vitima-a-recordar-violacao?Ref=DET_noticiasceccao

* * *

Ah, calor humano africano a contribuir para o frio e insípido quotidiano português, com toda a sua impulsividade e capacidade de exteriorização das emoções, um contributo sem o qual Portugal e a Europa seriam muito mais pobres...
E, ou muito me engano, ou o cabo-verdiano não será expulso o país, depois de dois crimes sexuais gravíssimos, um deles contra menor...
Isto aconteceu na zona norte do país - Braga e Aveiro, que é praticamente norte - a qual é em geral pouco conotada com a forte presença africana visível em Lisboa. Tenha-se pois em mente que sempre que se ouvir falar de violações nas zonas mais recônditas do país, não é nada impossível que a autoria do crime se deva a um não europeu...

CIMENTEIRA FRANCESA PAGOU AO CALIFADO PARA PODER MANTER FÁBRICA NA SÍRIA...

O grupo francês de cimentos Lafarge, agora fundido com o Holcim, reconhece que pagou cerca de 20 mil euros ao Estado Islâmico (EI), bem como diversas quantias a outras organizações armadas, sob forma de extorsão, para poder manter a actividade na fábrica de Jalabiya, na Síria, em plena guerra.
Os dados foram revelados esta Mércores pelo jornal Le Monde e a revista Le Canard Enchaîné, de acordo com declarações de alguns directores da empresa, em particular da filial Lafarge Cement Syria (LCS), à justiça francesa, que abriu uma investigação em Outubro do ano passado.
Os investigadores não só chegaram à conclusão de que a companhia financiou “indirectamente” grupos terroristas mediante a elaboração de documentos de contabilidade falsificados, mas também que provavelmente tal foi encoberto por alguns superiores, em particular o que era presidente do grupo, Bruno Lafont, disseram três directores.
A decisão de manter a actividade em Jalabiya entre 2011 e 2014, apesar dos riscos em pleno conflito, recebeu a autorização das autoridades francesas, com as quais a Lafarge manteve encontros regulares sobre a questão, segundo os meios de comunicação franceses.
As reportagens também revelam que os responsáveis pela fábrica – em operação desde o final de 2010- omitiram dos diplomatas que era feito mediante o pagamento de centenas de milhares de dólares a diferentes grupos armados, alguns catalogados como terroristas (em particular o EI), para que permitissem o seu funcionamento.
A situação deteriorou-se com o avanço da guerra e, segundo o director até Junho de 2014, Bruno Pescheux, no Verão de 2012 foram retirados do país os trabalhadores estrangeiros. Foi, também, pedido a alguns empregados que não comparecessem ao trabalho por razões de segurança devido às suas crenças.
O responsável da LCS afirmou que a ideia era “preservar as integridade do local, fazendo-o funcionar, ainda que fosse de forma descontinuada”, para manter a presença da empresa, com a perspectiva das necessidades de reconstrução do país.
No entanto, a partir de Setembro/Outubro desse ano, perante a exigência de comissões por parte de grupos armados presentes na região, foi colocado em funcionamento um dispositivo criado por um antigo accionista do grupo, Firas Tlass, filho de um ex-ministro de Defesa do presidente sírio, Bashar Al-Assad, que tinha passado à oposição.
Tlass recebia de 80 mil dólares a 100 mil dólares por mês para negociar com grupos que estabeleciam controlos armados e colocavam em perigo a actividade da LCS em Jalabiya. Em Outubro de 2012, nove empregados que deixado de trabalhar na fábrica pouco antes, foram sequestrados quando foram cobrar dívidas e a Lafarge pagou às milícias locais o equivalente a 200 mil euros pela sua liberdade.
Em Junho de 2013, o Estado Islâmico assumiu o controlo da cidade de Raqqa, a 87 quilómetros, e depois de meses a organização terrorista passou a fazer parte dos que extorquíam a empresa. O director local da LCS reconheceu que o nome do EI apareceu em alguns documentos.
Questionado sobre o valor pago por mês ao grupo terrorista, Pescheux respondeu que eram “cerca de 20 mil euros por mês”.
*
Fonte: http://www.jornaleconomico.sapo.pt/noticias/grupo-frances-reconhece-que-financiava-ei-para-poder-manter-fabrica-na-siria-211233

* * *

Já se sabe que o capital não tem pátria... nem vergonha... sobretudo quando em contacto com forças do terceiro-mundo.

CURDOS A CAMINHO DA INDEPENDÊNCIA COM APOIO ISRAELITA E FIM DO IRAQUE

Um alto funcionário iraquiano do Curdistão disse à Sputnik que o Curdistão iraquiano realizaria um referendo de independência, apesar da pressão política.
O Curdistão iraquiano vai votar pela independência, mesmo diante da pressão internacional e regional para cancelar o pleito, disse à Sputnik o chefe da Comissão Eleitoral Independente para Eleições e Referendo no Curdistão, Hendrin Mohammed.
"Infelizmente, há uma grande pressão internacional e regional, como você sabe. Os Grandes Poderes opõem-se ao voto. Mas estamos avançando para o facto de que o referendo acontecerá", disse Mohammed.
O funcionário acrescentou que a recente decisão do Parlamento iraquiano de rejeitar o referendo não impedirá a comissão de preparar e conduzir o voto de independência, uma vez que segue apenas a legislação autónoma do Curdistão e as ordens do presidente do Curdistão iraquiano Masoud Barzani.
No início de Junho, Barzani anunciou a sua intenção de realizar um referendo sobre a independência da região do Iraque em 25 de Setembro. O movimento já foi amplamente criticado pelas autoridades iraquianas, bem como por vários outros países, incluindo o Irão, a Turquia e os Estados Unidos.
*
Fonte: https://br.sputniknews.com/oriente_medio_africa/201709209397679-curdistao-iraquiano-independencia-pressao-referendo/

* *

O ex-cônsul da Turquia em Arbil – capital do Governo Regional do Curdistão, Aydin Selcen, em entrevista à Sputnik Turquia comentou realização do referendo de 25 de Setembro para independência do território.
O ex-cônsul da Turquia em Arbil – capital do Governo Regional do Curdistão, Aydin Selcen, em entrevista à Sputnik Turquia comentou realização do referendo de 25 de Setembro para independência do território.
Segundo ele, "se no resultado do referendo os curdos iraquianos declararem a independência, Israel será o primeiro a reconhecê-la por interesse na compra de petróleo do Governo Regional do Curdistão".
Selcen salientou que, mesmo faltando pouquíssimo tempo para realização do referendo, não há unanimidade entre os partidos políticos do Curdistão, sendo este um facto negativo. "Na região há duas forças políticas influentes – o Partido Democrático do Curdistão, com sede em Arbil, e a Aliança Patriótica do Curdistão, com sede em Suleimânia. Antes da decisão de realizar referendo, os dois partidos tentaram várias vezes dialogar, renovar a actividade do parlamento curdo e discutir assuntos administrativos. Mas não resultou. Afinal de contas, com referendo para acontecer, os principais partidos políticos não compartilham opinião unânime sobre as questões mais importantes", explicou.
"Enquanto isso, do ponto de vista dos curdos iraquianos, há factores tanto positivos quanto negativos. Por exemplo, as autoridades do Governo Regional do Curdistão, sob pretexto da interferência dos EUA e da luta contra o Daesh [organização proibida na Rússia e em vários outros países], contribuíram para a expansão significativa das fronteiras dos seus territórios; as terras ocupadas pelos curdos iraquianos são equivalentes a cinco territórios do Líbano moderno. Possuem jazidas de recursos minerais, territórios adequados para agricultura e a população corresponde a cerca de 6 milhões de pessoas. Tem certo apoio internacional, na verdade, que não é relacionado com a questão de reconhecimento da independência. Como é sabido, proclamar independência não significa tornar-se num Estado independente", ressaltou Selcen.
*
Fonte: https://br.sputniknews.com/oriente_medio_africa/201709159364679-curdistao-iraque-referendo-independencia-israel/

* *

O presidente do Curdistão iraquiano, Massoud Barzani, disse que a desintegração do Iraque e a independência da região autónoma curda são iminentes.
"O Iraque acabou como a Checoslováquia. Os Curdos estão prontos para se governarem", disse Barzani, em entrevista publicada pelo jornal italiano La Stampa.
Segundo o líder curdo, "no Médio Oriente e na Europa, a História tem mostrado que alguns Estados resultantes da Primeira e da Segunda Guerra Mundial se mostraram insustentáveis”.
"A Checoslováquia e a Jugoslávia desapareceram, tal como está a acontecer hoje com o legado de Sykes-Picot", disse Barzani.
O acordo Sykes-Picot, o pacto secreto entre a Grã-Bretanha e a França dividiu as esferas de influência no Médio Oriente após a derrota do Império Otomano na Primeira Guerra Mundial.
O presidente afirmou estar convencido de que "O Iraque vai-se desintegrar como a Checoslováquia".
"Os Curdos têm o direito a ter seu próprio Estado, como os países da Europa de Leste", disse Barzani, certo de que os Árabes serão forçados a aceitar a independência curda.
O Curdistão iraquiano, localizado no norte do país, é a única região autónoma do Iraque.
O seu estatuto é consagrado na Constituição aprovada em 2005, dois anos depois da queda de Saddam Hussein.
A autonomia tem o seu próprio presidente, governo, parlamento e forças de defesa – os peshmerga. 
*
Fonte: https://br.sputniknews.com/oriente_medio_africa/201703057821884-colapso-do-iraque-e-inevitavel/

* * *

O comentário do turco sobre a motivação do apoio israelita tem que se lhe diga, peca por estar incompleto, no mínimo... petróleo todos querem e quem apoiar o lado aparentemente mais forte, o do Iraque, tem mais probabilidade de o obter... Israel poderá nutrir muito mais interesses do que simplesmente o petróleo,  como por exemplo o enfraquecimento dos poderes árabes e turco na zona, o que além de ser favorável a Israel, e aos próprios Curdos, obviamente, também seria, a posteriori, útil ao Ocidente e à Rússia.

PRESIDENTE CATALÃO DENUNCIA GOVERNO ESPANHOL POR TENTAR IMPEDIR A REALIZAÇÃO DO REFERENDO À INDEPENDÊNCIA CATALÃ

O presidente catalão, Carles Puigdemont, acusou a Espanha de tentar impedir realização do referendo quanto à autonomia da região depois de buscas e detenções que aconteceram anteriormente.
Nesta Mércores (20), o presidente catalão, Carles Puigdemont, acusou o governo espanhol de suspender de facto a autonomia da região através de acções que visavam impedir a realização de um referendo para a independência da Catalunha.
"O Estado espanhol suspendeu de facto a autonomia da Catalunha", afirmou Puigdemont na televisão depois de reunião de emergência, realizada pelo governo da Catalunha, por causa da detenção de vários altos cargos catalães pela Guarda Civil espanhola.
Anteriormente, a polícia da Espanha prendeu 14 oficiais de altos cargos catalães, envolvidos na preparação do referendo sobre a independência da região. 
As detenções causaram a euforia de muitos, levando cerca de duas mil pessoas às ruas de Barcelona, capital da Catalunha, para protestar. 
Há muitos anos, Catalunha tenta se tornar independente da Espanha. A 9 de Novembro de 2014, cerca de 80% de Catalães votaram a favor da independência da Catalunha em referendo. Contudo, a votação não foi reconhecida por Madrid.
No dia 9 de Junho, o presidente da região autónoma, Carles Puigdemont, declarou que a Catalunha realizará um referendo unilateral sobre independência no dia 1 º de Outubro, apesar das críticas e objecções de Madrid.
*
Fonte: https://br.sputniknews.com/europa/201709209396987-catalunha-independencia-espanha-referendo/

* * *

Vai ficar ainda mais duro, o combate nacionalista da Catalunha... sorte tiveram os Portugueses por a partir de 1640 conseguirem alcançar a independência nacional, com o apoio da velha aliada, a enevoada Albion. Não obstante há quem despreze o valor das nações e depois se surpreenda quando a reacção a esse desprezo causa violência.

OTAN OPÕE-SE A TRATADO SOBRE PROIBIÇÃO DE ARMAS NUCLEARES ENQUANTO HOUVER PAÍSES FORA DO TRATADO QUE AS TÊM

A OTAN se manifesta contra o Tratado de proibição das armas nucleares da ONU e declarou que permanecerá sendo aliança nuclear enquanto existirem essas armas, informou o comunicado oficial da Aliança.
De acordo com o comunicado da OTAN, "o desejo de proibir armas nucleares através de um tratado, que não seria vinculativo para países com armas nucleares, não será eficaz, não contribuirá para a redução dos arsenais nucleares e não fortalecerá nem a segurança dos países nem a paz e estabilidade mundial".
"O tratado sobre proibição [de armas nucleares] é contrário ao sistema existente de não proliferação e desarmamento. Ameaça anular o Tratado de não proliferação de armas nucleares, que, há quase 50 anos, esforços conjuntos são empenhados para não proliferação e desarmamento", lê-se no comunicado.
"Enquanto o mundo tem de se manter unido perante ameaças crescentes, especialmente perante a ameaça séria do programa nuclear da Coreia do Norte, esse tratado não leva em consideração os desafios imediatos para a segurança", informou a Aliança.
"O objectivo dos aliados [da OTAN] é promover desanuviamento como factor principal da nossa defesa conjunta a fim de fortalecer a indivisibilidade da segurança da Aliança. Enquanto existirem armas nucleares, a OTAN permanecerá como aliança nuclear", lê-se no documento.
A OTAN "apela a todos os parceiros e países, que planeiam apoiar esse acordo, para ponderar seriamente as suas consequências para a paz e segurança mundiais".
Anteriormente, o chefe do Departamento de Não Proliferação e Controle de Armamentos do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Mikhail Ulianov, considerou o Tratado sobre Proibição de Armas Nucleares contrário aos interesses nacionais da Rússia.
O presidente do Brasil, Michel Temer, por sua vez,declarou em 19 de Setembro que o Brasil planeia assinar o Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares durante o seu discurso na abertura da Assembleia Geral da ONU, em Nova York.
*
Fonte: https://br.sputniknews.com/mundo/201709209396511-otan-contr-tratado-sobre-proibcao-armas/

* * *

Nada mais óbvio... valha, aqui, o bom senso dos militares ocidentais.

NA ALEMANHA - AUTORIDADES POLICIAIS RECOMENDAM ÀS MULHERES QUE NÃO SE EXERCITEM SOZINHAS EM PÚBLICO...

É uma notícia de há semanas, mas é também daquelas notícias sempre actuais...

Depois de duas corredoras serem brutalmente abusadas num dos parques da cidade de Leipzig, o Departamento de Polícia alemão foi alvo de uma chuva de críticas ao aconselhar as mulheres a exercitarem-se em grupo.
Na manhã de Vernes, uma mulher de 50 anos foi atacada enquanto caminhava pelo popular Parque Rosental no centro de Leipzig por um homem entre "25 a 35 anos, com cabelos escuros, barba curta e descuidada". O atacante arrastou a vítima de um caminho e estuprou-a ao mesmo tempo em que bateu na mulher com tanta força que ela teve de passar por uma cirurgia de emergência no rosto.
O suspeito permanece em liberdade. As autoridades também estão investigando se o homem está vinculado a outros dois assaltos sexuais ocorridos na mesma área recentemente.
Em resposta ao ataque, um porta-voz da polícia de Leipzig disse ao jornal local da cidade que "seria melhor se as mulheres corressem em pares ou pelo menos que se certificassem de que há sempre alguém ao redor".
Além disso, exortou as mulheres a serem mais cautelosas e a olharem sempre para trás quando passarem por alguém para se certificar de que não estão prestes a serem atacadas.
Os médias sociais explodiram com usuários enfurecidos criticando a reacção policial ao incidente. Muitos disseram que acharam ridículo que as mulheres fossem convidadas a adaptarem-se a condições perigosas, em vez de garantir que sejam protegidas.
O presidente da câmara de Leipzig, Burkhard Jung, criticou a polícia dizendo que "a resposta do Estado a este terrível incidente e a anteriores incidentes deve colocar mais polícia nas ruas e nos parques".
"Todos queremos viver numa cidade em que é evidente que as mulheres podem correr sozinhas no parque, uma cidade na qual todos estão seguros", disse ele ao jornal alemão Bild. "Claramente precisamos de uma força policial mais visível para isso".
Jung havia avisado antes do incidente que, enquanto a sua cidade cresceu em 100.000 cidadãos na última década, a força policial de Leipzig encolheu pelo menos 200 oficiais.
*
Fonte: https://br.sputniknews.com/europa/201709069284036-policia-alemanha-recomendacao-estupro/

* * *

O agressor tinha cabelos escuros, diz a vítima... num país onde há muita gente de cabelos escuros - como Hitler, por exemplo - mas onde uma boa percentagem é loira... será alguma maneira subtil de deixar que se saiba que a identidade étnica do agressor não é autóctone?...
Quanto ao aconselhamento que as autoridades alemãs emitiram, além de indigno por razões óbvias, serve entretanto para mostrar como a presença de certos elementos na sociedade europeia começa a limitar a liberdade das mulheres europeias na sua própria terra...

IMIGRANTES SOMALIS «REFUGIADOS» NOS EUA QUE GOSTAM MAIS DA LEI ISLÂMICA QUE DA AMERICANA...


Agradecimentos a quem aqui trouxe este vídeo, a mostrar o tipo de integração que se pode esperar de gente oriunda da Somália... isto não são terroristas, são pessoas com ar muito pacífico e um discurso perfeitamente coerente, a chegar aos magotes a território ocidental - e não vem porque goste muito dos Ocidentais ou da cultura ocidental mas porque quer fugir do barril de merda em que os seus países se tornaram e quer usufruir da comparativamente boa vida que os Ocidentais construíram na Europa e na América do Norte.

NA ZONA MAIS AFRICANIZADA DO PAÍS - BRASILEIRO É ESFAQUEADO ATÉ À MORTE

Um homem de 36 anos, de nacionalidade brasileira, foi esfaqueado até à morte, este domingo, na Tapada das Mercês, em Algueirão (Sintra).
De acordo com a informação apurada pelo Notícias ao Minuto, o alerta foi dado às autoridades às 19h22 e deslocaram-se ao local os Bombeiros e a PSP de Algueirão e ainda o INEM.
Conforme informação avançada pelos Bombeiros de Algueirão, à chegada ao local, a vítima já se encontrava em paragem cardio-respiratória. Além de ter sido esfaqueado, o homem também caiu de alguns degraus. 
Apesar dos esforços das equipas médicas nas manobras de reanimação, o óbito foi declarado no local. 
Entretanto, segundo apurou o Notícias ao Minuto junto de fonte próxima da investigação, terão sido entre três a quatro atacantes. Os suspeitos colocaram-se em fuga, sendo que o caso está agora entregue à Polícia Judiciária.
*
Agradecimentos a quem aqui trouxe esta notícia: https://www.noticiasaominuto.com/pais/865906/homem-de-36-anos-esfaqueado-mortalmente-em-sintra

* * *

Pelo menos desta vez não morreu nenhum português, o que evidentemente não tira nenhuma periculosidade à zona...

terça-feira, setembro 19, 2017

ESPANHA ACUSA RÚSSIA DE AUXILIAR INDEPENDÊNCIA CATALÃ...

O portal de notícias espanhol El Confidencial acusou a Rússia de tentar "dividir a Espanha" e tentou demonstrar os laços entre Moscovo e a intenção da Catalunha de realizar o referendo sobre independência.
Os autores do artigo publicado por El Confidencial afirmam que Kremlin "há anos mexe na ferida da luta catalã pela independência", pois isso "faz parte da estratégia para enfraquecer a União Europeia". Segundo os jornalistas espanhóis, a Rússia age com ajuda do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, que "desde 9 de Setembro publicou dezenas de tuítes de apoio ao separatismo catalão".
O portal concluiu tudo isso com base numa reunião de Assange com o congressista norte-americano, Dana Rohrabacher, que por sua vez, na década de 1990, "conheceu Putin". Já em Abril de 2017, Rohrabacher encontrou-se com Carles Puigdemont, presidente regional da Catalunha.
Apesar disso, mesmo o autor do artigo reconhece não haver provas concretas "de que a Rússia está por trás do apoio de Assange à causa do separatismo catalão".
Os leitores do El Confidencial ridicularizaram o "jornalismo investigativo" do portal.
"Sério? Um adulto escreveu isto para outros adultos? O homem é uma criatura realmente surpreendente", escreveu um dos leitores nos comentários ao artigo.
"Primo do amigo da namorada do vizinho do Putin foi visto no supermercado na companhia do amigo de infância do motorista do Puigdemont. Que notícia!", ironizou outro leitor.
Um comentário classificou a matéria de "paranoia no estilo de Hillary [Clinton]".
O advogado e cientista político espanhol, David Romero Díaz, em entrevista à Sputnik Mundo, afirmou que o artigo do El Confidencial "foi somente mais uma gota no mar de despropósitos e notícias falsas, nas quais a Rússia e Vladimir Putin em especial são acusados de todos os males da Terra".
O especialista destacou que a Rússia não está relacionada de modo algum com o separatismo catalão. Também lembrou que "os separatistas catalães sempre receberam apoio do assim denominado bloco ocidental".
O jurista lembrou que o ex-primeiro-ministro da Letónia e actual vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, manifestou o seu apoio ao reconhecimento da independência da Catalunha. Segundo Díaz, existem também factos, que confirmam a participação do magnata norte-americano, George Soros, no actual conflito catalão.
Já o doutor de ciências políticas, José Luis Orella, declarou à Sputnik Mundo que se trata de mais uma tentativa de "desprestigiar a Rússia na arena internacional", um país que "goza actualmente de muitíssimas simpatias" entre os espanhóis.
"É uma forma de eliminar os apoios ou simpatias à Rússia, em um momento no qual o seu presidente goza de uma invejável admiração internacional", apontou o interlocutor da agência.
O especialista não excluiu a possibilidade de os EUA se aproveitarem das ânsias separatistas dos nacionalistas.
"Com a saída da Grã-Bretanha da UE, a França e a Alemanha ficam numa posição dominante. E a Espanha cobra agora um peso maior nos processos decisórios da Europa. Uma Espanha debilitada, entretanto, terá menos peso nesse sentido", alertou o professor.
*
Fonte: https://br.sputniknews.com/europa/201709199390323-independencia-catalunha-imprensa-espanha-kremlin/

* * *

Como de costume, culpa-se os Russos pelos problemas internos... mas se for verdade que o Kremlin está a apoiar o separatismo catalão, parabéns à Rússia. Bom será que depois faça o mesmo em França - que, tal como a Espanha, tem várias nações dentro - e na Alemanha - idem. E, também, na própria Rússia, que também tem no seu seio várias nações não russas.


NOVO CASTRO DA IDADE DO BRONZE E DO FERRO DESCOBERTO EM MIRANDA DO DOURO


Escavações realizadas permitiram perceber que o castro de S. João das Arribas teve uma ocupação humana descontinuada, desde a Idade do Bronze até ao século I, já no Império Romano, e, depois, até ao século VII.

As mais recentes escavações arqueológicas no castro de S. João das Arribas, em Miranda do Douro, colocaram a descoberto “dados importantes” sobre a ocupação humana de um sítio que poderá remontar ao período alto medieval.
Ao longo de um mês, foram realizadas quatro sondagens arqueológicas e os arqueólogos descobriram ocupação humana que remonta ao período alto medieval -séculos V e VI..
Segundo a arqueóloga Mónica Salgada, é possível ver o que resta de “quatro edifícios, uma calçada, um possível lagar, uma lareira e um conjunto de artefactos em bronze, moedas e muita cerâmica”.
O balanço do trabalho realizado, é por isso, muito positivo, “não só pela quantidade de material encontrado, mas também pela beleza das peças encontradas, que apontam para a monumentalidade do sítio arqueológico, que se encontra em estudo”, realça a arqueóloga.
Os arqueólogos que integram o Projecto de Investigação S. João das Arribas sublinham ainda que as escavações realizadas no ano passado permitiram perceber que “o castro teve uma ocupação humana descontinuada, desde a Pré-História (Idade do Bronze) até ao século I, já no Império Romano, e depois da queda deste até ao século VII”.
O arqueólogo Pedro Pereira, da Universidade do Porto, considera que é preciso escavar mais para melhor compreender este sítio arqueológico que pode ir desde a Idade do Bronze até ao período alto medieval.
“Se queremos compreender, é necessário escavar e quanto mais escavamos mais compreendemos, também surgem muitas novas questões, mas é isso o interessante na investigação”, refere.
E até ao momento o que os arqueólogos conseguiram compreender, por exemplo, a nível de cerâmica é que se trata de “cerâmica doméstica ou seja, são níveis de ocupação de habitação”.
“Temos locais que estão associados ao depósito de matérias-primas devido aos espaços colocados a descoberto, tais como um celeiro ou um lagar”, exemplifica.
O projecto de investigação S. João das Arribas vai já no seu segundo ano, de um conjunto de quatro. Os próximos dois anos serão reservados para a abertura de mais sondagens e para o início do processo de musealização de todos os achados que, ao que tudo indica, ficarão em Aldeia Nova, a localidade mais próxima deste castro situado no distrito de Bragança.
“Pretendemos criar um museu, onde possa ficar exposto todo o espólio encontrado e deixar no local e à vista de todos algumas das construções descobertas”, revela Mónica Salgado.
Quanto ao material descoberto nas mais recentes escavações “vai ficar guardado num sítio apropriado, para ser estudado, catalogado, inventariado e limpo, para se poder fazer uma interpretação rigorosa do conjunto do espólio arqueológico exumado”, frisa a técnica.
Nas escavações participaram voluntários de Espanha, Rússia, Polónia, Ucrânia, Itália, França e Irão.
O castro de S. João das Arribas está classificado como monumento nacional desde 1910. Fica no Parque Natural do Douro Internacional, junto à localidade de Aldeia Nova, no concelho de Miranda do Douro.
O Projecto de Investigação S. João das Arribas, na Aldeia Nova, Miranda do Douro, é um projecto de investigação arqueológica que, através de operações de baixo impacto, como prospecções e sondagens, pretende trazer à luz novos dados sobre a romanização e ocupação humana no território do planalto mirandês.
*
Fonte: http://rr.sapo.pt/noticia/93626/arqueologos_encontram_povoado_com_1500_anos_em_miranda_do_douro?utm_source=rss



EMBAIXADOR DE PORTUGAL NA ALEMANHA «AVISA» QUE A EXTREMA-DIREITA VAI-SE INSTALAR NO PARLAMENTO

Perspectivando as eleições que vão ter lugar no próximo domingo, João Mira Gomes considera que o partido "Alternativa para a Alemanha, conotado com a Extrema-Direita, terá um resultado que poucos esperavam há seis meses.
As eleições alemãs, que vão ter lugar no próximo domingo, trarão, no entender do embaixador de Portugal na Alemanha alguns factores novos: uma chanceler que vai entrar num quarto mandato e um futuro parlamento alemão com seis partidos políticos, um deles um partido de Extrema-Direita”, disse o diplomata citado pela rádio TSF.
Para João Mira Gomes, o resultado do partido com a Extrema-Direita, Alternativa para a Alemanha, “vai ser acima do que era expectável há seis meses”. Mas será esse problema para a vasta comunidade portuguesa na Alemanha? O embaixador realça à TSF que “a comunidade portuguesa na Alemanha é muito bem aceite, e não levanta problemas a qualquer político alemão”.
*
Fonte: http://www.jornaleconomico.sapo.pt/noticias/alemaes-vao-ter-que-se-adaptar-a-extrema-direita-realca-embaixador-de-portugal-na-alemanha-210545

TURQUIA AMEAÇA COM GUERRA CASO O REFERENDO DO CURDISTÃO IRAQUIANO PONHA EM CAUSA OS SEUS INTERESSES

As relações entre os curdos do Iraque e os seus vizinhos imediatos são reveladoras do difícil equilíbrio geopolítico naquela região.
A Turquia aumentou a pressão contra a eventual declaração de independência do Curdistão iraquiano, avisando esta terça-feira que a divisão do Iraque ou da Síria poderá conduzir a um conflito global.
Depois de ter lançado na segunda-feira exercícios militares de larga escala precisamente junto à fronteira com o Curdistão iraquiano a Turquia avisou, pela voz do ministro da Defesa, que o país tomaria as medidas necessárias para impedir qualquer ameaça aos seus interesses.
Nurettin Canikli referia-se ao receio da Turquia de que a declaração de independência do Curdistão iraquiano possa levar os curdos da Turquia a procurar fazer o mesmo.
A comunidade curda está espalhada por quatro países. A esmagadora maioria vive na Turquia, onde se assiste a uma guerra com três décadas entre o Partido dos Trabalhadores Curdos (PKK) e o Governo, o Iraque tem a segunda maior população curda, que já tem autonomia e que na próxima segunda-feira realizará um referendo para decidir se declara independência ou não. A restante comunidade curda vive no leste da Síria e no Irão.
De todos os curdos, os iraquianos são os que mais progrediram no sentido da autonomia, beneficiando da zona de interdição aérea que foi criado pela coligação internacional depois da primeira guerra do Golfo para forjarem o seu próprio território e instituições. Depois da queda do regime de Saddam Hussein, o Curdistão foi reconhecido como região autónoma na nova Constituição do país e quando o auto-proclamado Estado Islâmico desbaratou o exército iraquiano em Mossul os Curdos foram os únicos a fazer-lhe frente no terreno, impedindo o seu avanço, numa primeira fase, e forçando uma retirada depois. No processo consolidaram o controlo de vários territórios disputados entre o Curdistão e o Governo central do Iraque.
Vários países, incluindo aliados, pediram aos Curdos para não realizarem o referendo, mas Erbil mantém-se determinado a fazê-lo. Turquia, Irão e Iraque dizem temer conflitos numa zona onde as rivalidades inter-étnicas facilmente passam a lutas armadas e os EUA afirmam que a independência poderá distrair da luta contra o Estado Islâmico, que tendo sido expulso de Mossul ainda controla algum território no Iraque e na Síria.
A posição da Turquia é particularmente difícil e revela o complexo equilíbrio geopolítico no Médio Oriente. A Turquia está em guerra com o PKK, que domina a comunidade curda naquele país, mas também na Síria, onde os Curdos aproveitaram o caos dos últimos anos para estabelecer um quase-Estado, juntamente com outras minorias não árabes, incluindo cristãos. Mas o PKK está de costas voltadas para a liderança do Curdistão iraquiano o que, ao longo dos últimos anos, tem contribuído para uma excelente relação política e económica entre Ancara e Erbil, relação essa apenas posta à prova pelas pretensões independentistas dos curdos iraquianos.
Já o Curdistão iraquiano pretende continuar no seu percurso, acreditando que as palavras e ameaças dos seus vizinhos imediatos sejam substituídas por pragmatismo quando a independência for oficialmente declarada. 
*
Fonte: http://rr.sapo.pt/noticia/93650/independencia_do_curdistao_iraquiano_pode_levar_a_guerra_global_diz_turquia?utm_source=rss

* * *

E ainda há quem queira a Turquia na União Europeia... até a sua pertença à OTAN acaba por ameaçar o bem-estar europeu, quanto mais a sua eventual inclusão na UE...
Quanto à questão propriamente dita, é o que se sabe - as divisões territoriais mais ou menos imperiais fizeram os Curdos ficar sem o seu próprio espaço soberano e agora os países instituídos não querem perder o que consideram seu, mesmo que estejam a violar o direito de uma nação à auto-determinação. Já Mussolini, creio, dizia que era sinal de «fraqueza» abdicar do que está em seu poder... e depois levou o seu país ao desastre total, claro...

segunda-feira, setembro 18, 2017

ISRAEL É O ÚNICO PAÍS DO MÉDIO ORIENTE A APOIAR A EVENTUAL INDEPENDÊNCIA CURDA

O Iraque não permitirá que um "segundo Israel" seja formado no norte do país, disse o vice-presidente iraquiano Nouri al-Maliki sobre um referendo a respeito da independência do Curdistão.
O referendo no Curdistão iraquiano foi criticado por vários países, incluindo o Iraque, o Irão e a Turquia, bem como a Liga Árabe.
Israel, que é considerado um Estado inimigo de muitos países árabes, apoiou o plebiscito.
"Temos de cancelar ou adiar o referendo porque é inconstitucional e não corresponde aos interesses do povo iraquiano em geral, nem dos Curdos em particular. Não permitiremos a criação de um segundo Israel no norte do Iraque", disse al-Maliki, numa reunião com o embaixador dos EUA no Iraque, Douglas Silliman.
Anteriormente, a Casa Branca exortou os líderes do Curdistão a cancelar o referendo e dialogar com Bagdade.
Os média curdos informaram nesta semana que representantes dos Estados Unidos, França, Alemanha, e das Nações Unidas propuseram adiar o referendo numa reunião com o presidente iraquiano do Curdistão, Masud Barzani.
Barzani disse que, se não receber uma alternativa ao referendo, o mesmo será realizado na data agendada.
O Curdistão iraquiano, com uma população estimada em cerca de 5 milhões, é a única região autónoma do Iraque.
O seu estatuto está consagrado na Constituição que foi aprovada em 2005, dois anos após a queda do regime de Saddam Hussein.
A autonomia significa ter o seu próprio presidente, governo, parlamento e forças de defesa, a Peshmerga.
*
https://br.sputniknews.com/oriente_medio_africa/201709179376746-iraque-curdistao-segundo-israel/

* * *

Mais uma vez os interesses de Israel coincidem com os do Nacionalismo árico.

MAIS UMA MANIFESTAÇÃO A CAMINHO DA INDEPENDÊNCIA NACIONAL DA CATALUNHA

O sábado fica marcado por uma manifestação de força histórica pela independência da Catalunha: mais de 700 presidentes de câmara da região reuniram-se em Barcelona contra o governo central espanhol que não quer autorizar a realização de um plebiscito pela independência do território.
Ao lado do presidente regional Carles Puigdemont e do prefeito de Barcelona, Ada Colau, os políticos rechaçaram a tentativa espanhola de barrar a independência.
"Não seremos intimidados. Não é sobre a independência, é sobre os nossos direitos", disse Colau.
O acto, porém, promete retaliações. A polícia recebeu ordens da Procuradoria-Geral para prender os autarcas que se recusem a comparecer para interrogatório numa investigação do referendo suspenso pelo Tribunal Constitucional da Espanha.
A região da Catalunha é responsável por um quinto da economia do país de 1,1 trilião de euros. Além de idioma próprio, também conta com relativa autonomia em relação ao resto do país, sendo responsável por cuidar de grande parte da infraestrutura policial, educacional e de saúde.
*
Fonte: https://br.sputniknews.com/europa/201709169370768-prefeitos-barcelona-independencia-catalunha/

CONTRA O CETA, AMEAÇA À DEMOCRACIA E À SAÚDE PÚBLICA


O CETA é um Acordo que ameaça o Estado de Direito, a Soberania e a Democracia em matérias como a protecção social e a regulação laboral, sanitária e ambiental. Conduz a um agravar das desigualdades, a uma ameaça às pequenas e médias empresas e aos pequenos agricultores, à saúde pública, ao meio ambiente, com particular destaque para o combate às alterações climáticas. Põe ainda em causa a privacidade dos dados dos cidadãos, o combate à epidemia dos "trolls de patentes" e os direitos dos cidadãos enquanto consumidores.
(Mais detalhes aqui: https://nao-ao-ttip.pt/wp-content/themes/dopetrope-nao-ao-ttip/CETA-em-Revista.pdf ou no espaço de discussão do evento)

QUAL É A URGÊNCIA: 
18.09.17: Debate no Parlamento sobre a aprovação do CETA
20.09.17: Votação do CETA no Parlamento

O QUE AINDA PODEMOS FAZER:
Qualquer um dos estados-membro da União Europeia pode rejeitar a ratificação do Acordo, o que inviabilizará a sua aplicação daí em diante. Em Portugal, a votação do CETA na Assembleia da República já está agendada!
É agora a última oportunidade de pressionar os deputados na AR para votarem contra o CETA!

O EVENTO:
A Plataforma Não ao Tratado Transatlântico, em colaboração com outras organizações, associações, sindicatos e partidos, pretende que os deputados oiçam os cidadãos no dia do debate parlamentar. 

O evento pode contar com alguns concertos, performances, e várias intervenções sobre o CETA.

Seja para ouvires as músicas, assinares o pedido aos deputados, ouvir os debates, teres uma refeição com nova companhia ou passares umas horas de luta connosco, o que importa é apareceres e exerceres o direito de usares a tua voz e exigires que os deputados representem os cidadãos, colocando o interesse público acima da obediência aos diretórios partidários ou outros poderes.

*

Fonte: https://www.facebook.com/events/806263129535133/?active_tab=about


AUTARCA DE LAMPEDUSA DÁ VOZ ÀS QUEIXAS POPULARES SOBRE A IMINVASÃO

Autarca da ilha que é porta de entrada para imigrantes diz que Lampedusa vive situação de "abandono".
O novo autarca de Lampedusa, Totò Martello, disse hoje que a ilha tem problemas graves de ordem pública, devido ao comportamento de imigrantes "descontrolados", e pediu o encerramento do centro de identificação local.
O presidente da Câmara de Lampedusa, ilha italiana que se converteu na porta de entrada na Europa para os imigrantes e símbolo de acolhimento, descreveu hoje numa carta a situação de "abandono" em que, disse, vive a ilha.
Segundo o responsável, 180 imigrantes tunisinos em Lampedusa circulam livremente pela ilha e ninguém intervém para comprovar se residem no centro de identificação.
[Muitos embebedam-se nos bares, incomodam as jovens, insultam. Recebo dezenas de turistas com medo, os proprietários dos hotéis e restaurantes sofrem a situação todos os dias e já não se pode mais]
Segundo o autarca a denúncia não tem a ver "com racismo ou intolerância" mas sim com o "respeito pela ordem pública e pelas regras".
Perante a situação o responsável pediu a intervenção do ministro do Administração Interna, Marco Minniti, e o encerramento do centro de identificação da ilha.
As declarações de Martello foram já criticadas pela anterior autarca Giusi Nicolini, que disse que o seu sucessor "quer fazer terrorismo".
Segundo Nicolini, de acordo com as queixas apresentadas nas autoridades policiais apenas houve um roubo numa loja de frutas e verduras.
*
Agradecimentos a quem aqui me trouxe esta notícia: http://www.dn.pt/mundo/interior/autarca-de-lampedusa-italia-queixa-se-de-imigrantes-8777117.html

* * *

O anterior autarca não arranja outra resposta senão uma mentecapta acusação de «terrorismo» porque não gosta que haja na classe política quem dê voz ao que todo o povo sabe sobre a bela merda que ele próprio e outros como ele andaram a impingir à população,  se houver um político a expressar o que o povo realmente vê e sente (na pele), esta opinião «racista» ganha «oficialmente» foros de cidadania e começa a deixar de ser considerada «proibida», que chatice haver quem diga que o rei vai nu...

UMA CENTENA DE PESSOAS NA «MARCHA DAS GALDÉRIAS» DO PORTO

Cerca de 100 pessoas manifestaram-se na noite deste sábado, no Porto, em prol da igualdade de género e contra a violentação e discriminação das mulheres, na quinta Marcha das Galdérias, que se realiza na cidade desde 2011.
Entre cinco mulheres e um homem entrevistados pela agência Lusa, a definição da palavra feminismo foi um dos temas que mais preocupação suscitou, por receios de que seja entendida "como o equivalente feminino do machismo", disse uma das organizadoras, Carolina Marcelo, sublinhando que o termo "não implica mais que a luta pela igualdade entre os sexos".
"[O contrário] foi-nos ensinado por um mundo machista, que quer que as mulheres sejam submissas e que haja diferenciação entre géneros", considerou a organizadora de 28 anos, cujo último caso de assédio sexual ocorreu no Parque da Cidade do Porto, com uma amiga, quando "apareceu um homem que começou a despir-se e a masturbar-se".
"Chamámos a polícia, veio um carro, e os agentes riram-se na nossa cara - desvalorizaram - disseram que era 'só um atentado ao pudor'. Eles próprios não estavam informados e tivemos que ser nós a invocar a legislação", lamentou a activista, aludindo à promulgação da chamada "lei do Piropo", de 2015, que criminaliza a importunação de cariz sexual, por meio verbal ou físico.
Para Carolina Marcelo, a lei é "ainda difícil de aplicar", na medida em que é "quase impossível manter no sítio quem manda bocas e apresentar queixa", mas sobretudo porque "a própria polícia diz que é uma 'coisa menor', que é melhor ignorar".
Estudante no Ensino Secundário, de 17 anos, Luísa Barateiro desfilava com um cartaz com a mensagem O único remédio é acabar com o assédio, enquanto reivindicava que "todo o tipo de pequeno preconceito, de ajudas ou facilitamentos - muitas vezes interpretados como cavalheirismo - muitas vezes são machismo".
"Ajudar a mulher a fazer isto ou aquilo porque ela não tem capacidade não corresponde à verdade", considerou a estudante, partindo do princípio de que é uma questão de respeito "poder ter uma vida normal como qualquer homem pode ter". Luísa Barateiro marchou para "ter os mesmos direitos que os homens têm e poder aceder a um salário igual, que muita gente pensa que já existe”.
Mais participantes masculinos
Questionado quanto aos privilégios de que pode beneficiar por ser do sexo masculino, João Teixeira, professor de Dança, mestre em Engenharia Física e manifestante na Marcha das Galdérias, disse que passam sobretudo por serem encarados como "alguém que sabe do que fala, só pelo facto de ser homem".
"Ainda há muito o estereótipo de que a mulher não sabe bem o que está a dizer sobre alguns assuntos. Depois, gozo de uma liberdade na rua que as mulheres também não têm, porque são assediadas a qualquer momento, por qualquer pessoa, desde que não estejam acompanhadas por um homem. Basta isto para ilustrar o quão escandalosa é a diferença: basta ter um homem lá, que já não passa por isso", frisou o manifestante.
Jornalista em Gondomar, Nadine Santos, de 21 anos, disse entender que "a lei do piropo não veio resolver muita coisa, porque não basta a legislação, tem que haver uma consciencialização da população e, só a partir daí, é que as coisas vão mudar".
"Há que mantermo-nos firmes e às vezes ripostar, porque às vezes a ignorância também tem a ver com ficarmos caladas e não darmos a mostrar ao outro lado o que se passa", concluiu, prestes a juntar-se à marcha com um cartaz em que se lia: O teu machismo dá-me tesão. Ao verem o cartaz, um grupo de cinco homens entre os 20 e os 30 anos, de cerveja em mão, lançou uma série de insultos.
Partindo da praça Carlos Alberto até à rua dos Clérigos, a estudante do secundário Luísa Barateiro elogiou a crescente participação de homens ao longo das sucessivas marchas feministas no Porto, salientando que "um homem deve também poder lutar pela igualdade, como uma coisa legítima." "É bonito ver um homem a lutar pelos direitos das mulheres", acrescentou.
A Marcha das Galdérias tem sido organizada à imagem da SlutWalk, criada em Toronto, no Canadá, iniciada depois de um agente policial local ter declarado publicamente que as mulheres deviam vestir-se de forma mais recatada para não serem vítimas de ataques sexuais.
*
Fonte: https://www.publico.pt/2017/09/17/sociedade/noticia/marcha-das-galderias-voltou-este-sabado-ao-porto-1785709#

domingo, setembro 17, 2017

SOBRE OS CUSTOS DA IMIGRAÇÃO ISLÂMICA NO REINO UNIDO - UM EVENTUAL CAMINHO PARA A GUERRA CIVIL EM SOLO EUROPEU


https://www.youtube.com/watch?v=eiYi82n1tDE

«Há um relatório da semana passada dos serviços secretos que dizem que existem cerca de radicalizados que diz que há vinte e três mil sinalizados. Desses vinte e três mil, três mil são considerados indivíduos que estão em risco iminente de causar perturbação na segurança pública, o que significa que é um esforço enorme... Segundo as boas práticas contra-terroristas, cerca de vinte indivíduos são necessários para monitorizar em permanência um suspeito. Nesta altura, os serviços secretos juntamente com a polícia são capazes de fazer uma monitorização de cerca de trezentos indivíduos. De trezentos para os três mil que estão na lista do perigo iminente, revela de facto um "gap" extraordinariamente grande e uma dificuldade enorme de conseguir dar resposta a todas as possibilidades que se coloquem em termos de ataques.
(...)
Cerca de cinquenta por cento das mesquitas do Reino Unido estão sob o controle de imãs radicais (...)
É absolutamente inaceitável que, só na zona de Londres, existam cem tribunais regidos pela charia, só na zona Londres, como é absolutamente inaceitável que existam pessoas ligadas ao sistema judicial e ao sistema religioso, e pessoas proeminentes do sistema, que venham defender que há determinados aspectos da charia que deveriam ser incorporados no Direito inglês (...)
o que se passa em Inglaterra não é exactamente terrorismo, como o que se passa na Europa não é exactamente terrorismo, porque estes grupos não são os Baader Meinhof, nem são as Brigadas Vermelhas nem são o I.R.A. sobretudo na sua fase final; estes grupos têm uma base social de apoio, estes grupos têm redes já com uma complexidade elevada e nesta altura são de facto um movimento social, ainda não é um movimento de massas, ainda não têm uma liderança política organizada, mas não podemos descartar a possibilidade de isso vir a acontecer...»

Major-general Carlos Branco

É continuar a deixar entrar imigração do terceiro mundo, a iminvasão está a correr bem... 


«BATTLESTAR GALACTICA»


Dezassete de Setembro de 1978, estreia televisiva nos EUA da série «Battlestar Galactica», bom pedaço de «space opera», saga de ficção ou fantasia científica sobre uma gigantesca nau das estrelas, qual porta-aviões intergaláctico, de uma outra civilização humana, originária do planeta Caprica, mui distante da Terra (não confundir com certa localidade a sul do Tejo, essa tem um «a» a mais). Esta «Estrela de Batalha» Galactica conduz uma frota de fugitivos humanos em busca deste planeta azul, tido como espécie de terra prometida, para assim conseguir salvar-se da perseguição genocida que lhe é movida por uma outra espécie alógena, os Cylons, que nos livros são uma espécie de répteis muito organizados e intolerantes para com a imprevisibilidade e génio humanos, na televisão pareciam ser simplesmente robots, embora o seu líder se afigurasse orgânico...
Mais recentemente fez-se uma nova versão da série, que não tem para o pessoal da velha guarda o mesmo encanto, para além de cair frequentemente numa sentimentalada desinteressante e de escolher os piores e mais banalizantes caminhos, como o estafadíssimo e pouco credível tema da «revolta dos robots contra a humanidade»... e os «novos» cylons, ainda que «mais tecnológicos», não se comparam em carisma aos antigos, digo eu... de melhor, a nova série só tem a religião, que é o politeísmo helénico...
Se o grosso da ficção científica é ideologicamente bem mais de Esquerda que de Direita, isto pura e simplesmente porque o grosso da cultura contemporânea é quase todo engendrado por gente de sensibilidade esquerdista, «Galactica» - a de 1978, pelo menos - constitui aqui uma excepção notável. Nesta, os inimigos da humanidade são doutra espécie e querem liquidar o «Nós»; a busca dos fugitivos humanos - verdadeiros refugiados - é pela humanidade da Terra, ou seja, por gente do mesmo sangue, enquanto o inimigo é de outro sangue; no seio do «Nós», os humanos de Caprica dividem-se nas suas opiniões: uma elite civil está sempre disposta a acreditar na boa vontade dos Cylons para estabelecer a paz, enquanto os militares nunca confiam nos Cylons e suspeitam sempre de uma cilada, suspeita esta que depois se confirma...
Aconselha-se vivamente a apreciadores do género, sem pretensões, que não procurem nada de propriamente «científico» - recordo-me do divulgador científico Eurico da Fonseca a dizer, num programa de domingo à tarde (creio que do Júlio Isidro, ou então do outro, o de bigode, Luís Pereira de Sousa), que «Galactica» era «cowboys do espaço» (enquanto a série de ficção científica televisiva que mais apreciava era «Espaço 1999»)... enfim, o entretenimento não tem forçosamente de ser «instrutivo», basta que divirta e, se possível, maravilhe, é para isso que serve.



ALÓGENO DE APELIDO ÁRABE AGRIDE SEXUALMENTE BRITÂNICA EM GALES

Sarah Barnes, de 42 anos, foi agredida sexualmente por um trabalhador, responsável pela limpeza de carros, em Pentwyn, na cidade de Cardiff, no País de Gales. A violação aconteceu em Julho, quando Azad Hassan, de 43 anos, apalpou a perna e os seios da vítima e comentou que eram "agradáveis", segundo conta o jornal britânico The Sun. A 30 de Agosto, o indivíduo foi apresentado a tribunal e admitiu o crime sexual.
Azad Hassan foi obrigado a assinar um registo de detenção sexual por cinco anos. Em declarações ao jornal Daily Mail, a mulher disse que ficou sem capacidade de reacção e em "estado de choque", quando o homem a agarrou. "Ele tocou-me na perna e, quando saí do carro para pagar o serviço, ele voltou a tocar-me no peito", descreveu a vítima. Depois da agressão, a mulher dirigiu-se até ao centro de serviços de lavagem, onde fez queixa aos outros funcionários da empresa. Segundo o jornal Mirror, Sarah Barnes sentiu-se "frustrada" depois do ataque, mas decidiu partilhar a história na internet, para encorajar outras vítimas a "não terem vergonha" com actos semelhantes. Em declarações ao Wales Online, a mulher aconselha as vítimas a fazerem queixa das agressões sexuais, para que os criminosos enfrentem a justiça. Após o processo judicial, Sarah Barnes foi informada que Azad Hassad tinha sido despedido da 'Hand Car Wash'. O dono da empresa, Masud Fazel, pediu ainda desculpas pelo sucedido e disse que "nunca" pensou que o homem "pudesse levar a cabo um ato destes, senão nunca o teria contratado".
*
Agradecimentos a quem aqui trouxe esta notícia: http://www.cmjornal.pt/cm-ao-minuto/detalhe/mulher-e-agredida-sexualmente-enquanto-lava-carro?ref=Domingo_BlocoTopoPagina

* * *

Mais calor humano oriundo do grande sul não europeu para aquecer o quotidiano da fria Europa...

MORREU MAIS UM FORCADO...

O forcado dos Amadores de Alcochete Fernando Quintela, de 26 anos, morreu hoje numa unidade hospitalar em Lisboa, na sequência de uma colhida de um touro, disse à agência Lusa fonte do grupo. O jovem forcado, que pegava de caras na Vernes à noite, na praça de toiros da Moita do Ribatejo, concelho da Moita, no decorrer de uma corrida à portuguesa, foi ferido com gravidade por um touro pertencente à ganadaria de Prudêncio, com 530 quilos.
Fernando Quintela foi de imediato transportado para o Hospital de São José, em Lisboa, onde veio a falecer durante a madrugada de hoje.
A morte de Fernando Quintela ocorre nove dias depois da do forcado Pedro Miguel Primo, dos Amadores de Cuba, que perdeu a vida na sequência também de uma grave colhida sofrida na praça de toiros daquela vila do distrito de Beja.
O acidente que vitimou Fernando Quintela ocorreu na última corrida de toiros inserida na Feira Taurina da Moita do Ribatejo, num concurso de ganadarias onde foram lidados toiros de Murteira Grave, Ascensão Vaz, Prudêncio, António Silva, Fernandes de Castro e Veiga Teixeira.
Em praça estiveram os cavaleiros João Moura Jr., João Telles Jr. e Francisco Palha, bem como os forcados de Évora e Alcochete.
*
Fonte: https://www.noticiasaominuto.com/pais/865338/forcado-dos-amadores-de-alcochete-morre-apos-colhida-na-moita-do-ribatejo?&utm_medium=social&utm_source=facebook.com&utm_campaign=buffer&utm_content=geral

* * *

Mais outro que só colheu o que semeou... menos um a participar na crueldade contra os toiros.

sábado, setembro 16, 2017

HOJE - MARCHA DAS GALDÉRIAS NA INVICTA


"O ÚNICO REMÉDIO É ACABAR COM O ASSÉDIO"

SlutWalk Porto - Marcha das Galdérias; pela igualdade, pela auto-determinação, pelo direito ao espaço público, contra a violência de género, contra a discriminação, assédio e violência sexuais. No dia 16 de Setembro, voltamos a marchar pela nossa liberdade!
Encontramo-nos às 22h na Praça de Carlos Alberto para pintar cartazes e preparar músicas e palavras de ordem.
A marcha arranca às 23h.
A SlutWalk é um movimento internacional que surgiu no Canadá, em 2011, na sequência das afirmações de um agente policial que declarou que as mulheres deveriam evitar vestirem-se como galdérias (sluts) para se precaverem contra o assédio sexual. 
Posicionando-se contra a cultura da violação e da culpabilização das vítimas (nomeadamente pelas roupas que vestiam no momento do ataque), pessoas de todo o mundo uniram-se e ocuparam as ruas, reclamando um espaço público seguro e livre de assédio verbal, físico, moral e sexual. 
A SlutWalk chegou ao Porto ainda em 2011 e desde então tem saído às ruas da baixa portuense pelo direito de cada pessoa ao próprio corpo e à auto-determinação da sua aparência, sexualidade e conduta.
Num tempo em que o conservadorismo bafiento, preconceituoso e descarado tem mostrado as suas garras, é urgente mostrarmos as nossas e unirmos forças para combatê-lo. Contamos com todas as manas para ocupar as ruas da nossa cidade e mostrar que estamos na luta, que somos muitas e unidas!
SUBMISSAS NOS QUEREM, GALDÉRIAS NOS TERÃO!
*
Fonte: https://www.facebook.com/events/292890011178387/?active_tab=about